COMPARTILHAR
Alen Fillipi - NPS Recife
Alen Fillipi - NPS Recife

Nos últimos meses, o alagoano Alen Fillipi é um dos jogadores nordestinos que mais vem se destacando no cenário nacional. Atual campeão do ranking do Nordeste Poker Series, após uma performance irretocável, o jogador participou pela primeira vez de um dos maiores circuitos do esporte da mente, o EPT (European Poker Tour).

Indo para realizar um sonho, o jogo foi em duas oportunidades o melhor representante brasileiro em um torneio. Entre os resultados, está uma mesa semifinal no National High Roller, competição com a entrada custando € 2.200.

VEJA MAIS: Pedro Henrique Mendes lidera os 14 classificados no Dia 1A do Main Event do NPS Recife

O Main Event foi outro torneio em que Alen foi muito bem. Além de conseguir superar o estouro da bolha, o alagoano jogou na mesa da TV ao lado do sueco Simon Mattsson, o “C.Darwin2”, considerado por muitos o melhor jogador do poker online.

Regular das etapas do Nordeste Poker Series, o atual campeão veio para a disputa em Recife. No momento que entrou no salão, foi recebido com uma salva de palmas, pelo reconhecimento do desempenho.

Em entrevista ao SuperPoker, o jogador falou sobre a experiência. Confira:

Quando começou o planejamento para ir à Barcelona?

Não teve planejamento, foi de última hora (risos). Eu não ia, mas o pessoal do time foi e, bem perto da data, conversei com o pessoal. Decidir ir e realizar um sonho. Nunca tinha jogado um torneio deste porte, fui por causa do sonho e se tornou uma viagem bem lucrativa.

Alen Fillipi - NPS Recife
Alen Fillipi – NPS Recife

O jogador sempre imagina uma viagem boa, com alguns resultados, mas você tinha a perspectiva de uma viagem com uma performance dessa?

Não dá pra esperar isso né. Eu fui bastante focado, apesar de não ir com expectativas, a minha vontade era de jogar e realizar esse sonho, já estava feliz de estar na mesa. Depois que joguei o primeiro evento, percebi que dava pra chegar, porque eu estava jogando bem, com uma vibe muito boa e muito concentrado. O time de jogo tava bom e encaixou contra o pessoal de lá.

Fiquei com uma frustração maior naquela semi-FT, que eu achei que ia chegar, pois era o segundo em fichas dos últimos 17, mas acontece, é do jogo, um dia nós ganhamos e outro perdemos.

VEJA MAIS: Arthur Alencar avança gigante para o Dia Final do High Roller do NPS Recife

Falando sobre o field, como você sentiu o nível de jogo?

É um field bem dividido. Tem muitos jogadores que são muito bons e tem aqueles que são muito ruins. Você precisa desviar dos regulares que sabem muito, que eu conhecia a maioria.

Tem um detalhe interessante, que eu reconheci todo mundo, mas ninguém sabia quem eu era, não sabiam que eu era jogador. Imaginavam que era um recreativo e isso foi muito bom, pois explorei muito essa imagem, eu 4-betava algumas mãos que eles ficavam perdidos, ‘recreativo 4-betando só pode estar no topo’, mas sabia que eles estavam explorando quem não era profissional.

Isso foi muito bom, eu soube me adaptar muito bem. Consegui ajustar esse jogo contra os profissionais e contra os recreativos, nós já levamos uma certa vantagem.

Alen Filipi - NPS Natal
Alen Fillipi – NPS Natal

Você falou que conhecia a maioria dos regulares profissionais. Como foi jogar ao lado do “C.Darwin2”?

Foi massa demais. Eu não falo inglês, mas tinha um argentino que traduzia tudo que eu falava. O Darwin é um cara que brinca com todo mundo, bem legal. Quando estava na mão, uma postura impecável, muito concentrado. Pra mim, é o melhor do mundo, e quando você joga contra o número 1, não tem outra sensação, fiquei feliz demais.

É por isso que eu volto a falar, só de estar lá foi um sonho. Ir e jogar contra os melhores do mundo foi uma realização.

VEJA MAIS: Terceiro dia do NPS Recife contará com cinco eventos no cronograma

Jogar na mesa da TV em um evento de nível internacional muda alguma coisa?

É uma emoção a mais né. No começo dá aquele “frio na barriga”, pois pensar que há três meses eu assistia e depois estar lá jogando é muito legal.

Sobre o jogo, é diferente porque você sabe que se fizer uma bobagem o mundo inteiro vai criticar, mas acho que eu me desempenhei bem e me parabenizaram pelo jogo. Dei o melhor de mim, sei que podia chegar um pouco mais longe, mas não me arrependi de nada. Se da próxima vez eu conseguir repetir isso tá bom demais, mas espero melhorar a performance.

Chegando no salão do Nordeste Poker Series, você recebeu uma homenagem. Como foi?

Eu não esperava. Fiquei muito envergonhado, sou um pouco tímido. Eu gosto de brincar e tudo mais, mas quando é assim, algo que eu não esperava, fiquei sem saber o que fazer. Mas fiquei muito feliz, é o reconhecimento de um trabalho, todo mundo parabenizando pelo evento que fiz e representando o Nordeste, que não tem tanto representante lá fora.

Alen Fillipi é campeão do ranking do Nordeste Poker Series
Alen Fillipi é campeão do ranking do Nordeste Poker Series

Você é o atual campeão nordestino de poker e o seu amigo, Ramon, está disputando o ranking este ano. Passou alguma experiência pra ele?

O Ramon já é malandro (risos). Nos últimos anos ele disputou o ranking também, mas não jogou tão focado. Esse ano, já que ele colocou isso na cabeça, tenho certeza que vai dar ele. Então, não tem o que passar, ele é muito bom de jogo e experiente.

O Nordeste Poker Series tem o patrocínio do Brasil Poker Live, braço brasileiro da Rede Aconcagua Poker. Envie email para [email protected] para criar sua conta.