COMPARTILHAR
Felipe Cardoso
Felipe Cardoso

André Akkari e João Simão estrelaram o field por lá. Igor Federal e Ueltom Lima, eterno e novo presidente da CBTH, também marcaram presença. Tininho e Ruth Vianna comandaram as mesas com a maestria de sempre. Os nomes importantes que costumam fazer parte do BSOP estavam em Recife na última semana, mas quem roubou a cena foi um outro personagem.

O dealer Felipe Cardoso, ou Felipe Panda, como preferir, foi um dos principais centros da atenção da comunidade. Quem soube da história dele por alguém, quis conhecer melhor. Alguns não acreditaram tanto, escolheram ouvir do próprio. Era impossível não ficar emocionado. Com apenas 23 anos, o piauiense realizou o sonho de participar de uma etapa do BSOP. Não foi fácil. Ele mesmo conta melhor.

“Sou dealer fixo do NPS, o Nordeste Poker Series. Quando saiu que ia ter o BSOP em Recife, pediram para todos os dealers do NPS virem trabalhar. Todos da equipe colocaram o nome (cerca de 25 profissionais) e quando saiu a lista, incrivelmente, o único que não fui convocado fui eu. Foi aleatoriamente. Só que eu já tinha comprado passagem, e a hospedagem tava tudo certo. Então eu vim, sem garantia de trabalho. Queria conhecer o torneio, o evento. Muitas das pessoas que eu só vejo pela televisão eu ia ter oportunidade de ver. Então eu pensei, eu vou, se der certo, deu, se não der, eu vou conhecer várias pessoas legais”, explicou.

Decidido a viajar sem saber se poderia trabalhar, Felipe não desistiu do sonho. Seguiu o cronograma que já estava decidido e partiu para Recife. Quando chegou lá e foi para o hotel do evento junto com alguns colegas, ele estava de calça jeans, enquanto os outros já foram uniformizados. Eis que a surpresa que ele esperava aconteceu.

“Acabou que um dos dealers faltou, não veio. Fui convocado no primeiro dia e trabalhei regularmente. Fiquei muito nervoso. Quando me chamaram pra equipe, eu entro na sala e já falaram ‘Felipe, Omaha’. Eu falei ‘Vamos’. Eu só via pela televisão, não tinha nem visto o salão, não tinha visto a grandiosidade do evento. Aí cheguei na mesa, rendi o colega. Vou ser sincero, a primeira mão tremeu. A tranquilidade veio depois, vi que era realidade, que eu estava no torneio que sempre sonhei em estar”, contou o piauiense.

Felipe Cardoso
Felipe Cardoso

Felipe conheceu o poker através de amigos e dos home games. Quando passou a acompanhar as transmissões, se encantou com a profissão de dealer. O jovem de 23 tinha um emprego seguro na INTERPI (Instituto de Terras do Piauí), mas abdicou disso e de outras coisas para fazer o que tanto queria. Ele falou sobre esse início.

“Há mais ou menos um ano e dois meses eu trabalho com poker. Sou formado em contabilidade. Larguei o emprego, larguei tudo pra viver isso. Vi a profissão de dealer, achei que era muito digna, muito boa. Fiz o curso, fui chamado pra trabalhar nos torneios do meu estado. Quem me deu minha primeira oportunidade foi o Ytarõ Segabinazzi, do NPS. Aí de lá já vim para o BSOP. Eu nunca pensei que em cinco meses minha vida ia explodir”, disse, ainda incrédulo com a vivência.

A equipe de dealers no BSOP Recife contou com 70 profissionais. No último Millions, por exemplo, foram quase 200. O número alto impressionou Felipe, que não soube o que fazer quando cruzou o caminho com um ídolo da profissão. E ele disse que caiu na graça da turma também pela própria voz, que lembra a do personagem de desenho animado Bob Esponja.

“Estou conhecendo pessoas que eu nunca pensei que conheceria na minha vida. Sou muito fã do Tininho. Só acompanhava ele pela televisão. Quando eu cheguei aqui no primeiro dia, já dei de cara com ele e pensei: ‘sério, esse cara existe?’ Ele estava do meu lado, conversou, parou no salão pra tirar foto comigo. Essa brincadeira de eu ter vindo sem ter convocação e pela minha voz que brincam muito, pegou isso e todo mundo gostou de mim”, completou.

Felipe disse que fez de tudo para não ser esquecido e que o próximo sonho dele é estar no BSOP São Paulo, de 27 de julho a 1o de agosto. A história dele também vai servir de inspiração para pessoas de qualquer área. Ele resume toda essa vivência e o sentimento de realização em apenas uma frase: “Faça aquilo que gosta e não terá de trabalhar um único dia da sua vida”.

DÊ CALL NO SUPERPOKER!

Turbine seu jogo, receba conteúdos exclusivos,
análise de mãos, chamadas para aulas ao vivo e promoções gratuitas.

Concordo com os termos de uso e privacidade do SuperPoker, que declara não repassar os dados a outras empresas.