COMPARTILHAR
Curso Step Team
O próximo curso do Step Team está logo aí!

Qual o momento de transformar o poker em profissão? Foi sobre esta pergunta que, no passado, os craques do Step Team precisaram refletir. Hoje espelhos para muitos praticantes, os integrantes da equipe também já passaram por esse complicado momento de transição. Enfrentar a desconfiança de pessoas próximas a respeito da rentabilidade do jogo, além da natural incerteza relativa aos resultados, torna indispensável uma boa reflexão sobre o assunto.

Analisar cases pode ajudar. Hoje com mais de 1 milhão de dólares em prêmios acumulados online, Gui Moura recorda uma passagem importante na sua carreira – iniciada profissionalmente em 2010. “Estava com o escritório de advocacia e um dos clientes me apresentou o Texas Hold’em online. Comprei 30 dólares dele e, passados três meses, ele voltou e perguntou se tinha acabado o dinheiro. Falei que não, que estava com 900, e ele quis comprar 600 dólares por R$ 2.400 na época. Eu não imaginava que realmente era assim, e ali vi que dava dinheiro”, comenta.

Igor Campanha se tornou profissional do poker a partir do amadurecimento no esporte. Após iniciar jogando na faculdade com o intuito de se divertir, percebeu junto ao primo Roberto “lessajr” Ferreira que era possível vencer os adversários sem contar apenas com a sorte. “Começamos a discutir que dava para ser melhor que o outro. Jogando e vendo que os outros sabiam jogar de maneira superior, vimos que dava para ter um retorno. Então fui buscar conhecimento”, explica. A experiência já levou o paulista a disputar etapas de Circuito Paulista Hold’em (CPH), BSOP, LAPT e Latin Poker Series ($1 KK GTD).

Dono de uma carreira meteórica, Thiago Grigoletti conheceu o poker no final de 2009, aos 20 anos. Em 2010, já estava conhecendo o mundo dos jogos online. Foi em 2011, então, que resolveu trancar a faculdade de Direito para se dedicar exclusivamente ao poker. Hoje, já soma mais de 500 mesas finais na carreira e mais de R$ 5 milhões em premiações.

Gustavo “gremistaAK” Pinto foi outro a conhecer o esporte durante o período acadêmico. “Fui entender que era uma profissão quando entrei para o Pré-Steal Team, no início de 2012, quando estava terminando minha faculdade de Direito, a qual concluí, mas nunca exerci pois comecei a trabalhar com o poker”, conta.

A decisão hoje, percebe-se, foi acertada: o gaúcho é sócio fundador do Step Team e, em 2016, jogou pela primeira vez a “World Series of Poker” em Las Vegas e fez sua primeira mesa final de Mundial de Poker, no WCOOP 700 1r1a, no qual terminou em nono.

Bons resultados também foram o que levaram Renato “bauruzito” Valentim a buscar o profissionalismo. Experiente, garante que foi a preparação ao lado de feras do poker “que modelaram e ajustaram todo meu jogo”. “Há dois anos e meio estou focado na solução e não no problema. Coloco todos os resultados da minha vida sobre minha responsabilidade. Ou seja, deu certo sou o cara. Deu ruim, sou o culpado”, afirma.

Todo esse know-how do Step Team estará ainda mais acessível em breve. Focada no desenvolvimento do poker, a equipe realizará o Curso Step Team 6, de 15 de agosto a 24 de novembro. Mais informações podem ser obtidas no site oficial www.stepteam.com.br