COMPARTILHAR
Norson Saho - CPH
Norson Saho - CPH

A disputa pelo título de Campeão Paulista de Poker em 2018 não poderia ter sido mais acirrada. A briga chegou ao último torneio, o One-Day High Roller, com Luiz Carlos Miranda, Norson Saho e Marcelo Giordano ainda na briga pelo ranking do CPH. Giordano foi eliminado antes da reta final, mas Norson e Miranda protagonizaram um duelo daqueles no H2 Club.

Ambos chegaram à mesa final do torneio e sobreviveram ao estouro da bolha, deixando claro que a disputa seria até o último minuto e, inclusive, sentando lado a lado. Miranda caiu em sexto, fazendo com que Norson precisasse pelo menos do vice-campeonato.

O “BrazilianEye” do online não quis saber. Com um desempenho dominante na mesa final, Norson ficou com o título do torneio, garantindo mais um troféu para o que deve ser uma prateleira cheia, e assumindo a liderança do ranking no último momento possível, com 5.850 pontos contra 5.440 de Miranda.

Norson Saho e Luiz Carlos Miranda - CPH
Norson Saho e Luiz Carlos Miranda – CPH

Além do prêmio de R$ 45 mil pela vitória no torneio, ele ainda teve uma noite mais lucrativa ainda, faturando mais R$ 50 mil pelo título do ranking, e atingindo uma das principais glórias do poker nacional. Após a conquista, o experiente jogador deu entrevista ao SuperPoker sobre a vitória. Confira.

Para você, que está no circuito há tempos, qual é a sensação de ser Campeão Paulista?
É especial, porque normalmente, apesar de estar há vários anos rodando o circuito, eu tive poucas oportunidades de realmente disputar o ranking, porque sempre acontecia de bater alguma etapa com algum torneio lá fora. Como lá fora os torneios eram de buy-in mais caros, eu sempre deixava de disputar uma ou duas etapas no ano para jogar lá fora, e como o ranking é muito disputado eu acabava ficando de lado.

Neste ano, foi diferente porque coincidiu de nas duas primeiras etapas eu ir muito bem e fazer bastante ponto, então eu decidi abrir mão de jogar vários torneios lá fora para poder focar total na disputa do ranking. O CPH é aquela coisa, o torneio mais tradicional de São Paulo, um dos mais conhecidos do Brasil, não só pela estrutura de blinds, que é bem tranquila, mas a estrutura do H2 Club, organização impecável. Ter esse título no currículo não tem preço.

Ser campeão do ranking vencendo um torneio traz um gosto ainda mais especial?
Ter ganhado o último torneio foi legal, a cereja no bolo. Eu já sabia que pelo Miranda ter uma vantagem de 290 pontos eu teria que praticamente cravar, ou pelo menos pegar um top 3, para ter chances reais de passar ele no ranking, então eu sabia que para ganhar o ranking teria que ir muito bem no torneio. Acabei dando bastante sorte no final, quebrei um AA com KJo, quebrei um AK com A4, outra bad beat quase na bolha da FT. Eu não tinha muita expectativa de cravar, mas na hora que você fica grande já começa a pensar que dá. Dei sorte que quando o Miranda caiu em sexto, eu tinha o dobro de fichas do segundo, se não me engano, então fiquei numa situação bem confortável para pressionar os adversários e foi acontecendo meio natural na FT, acabou dando tudo certo.

Quando ficou na bolha da FT, eu estava na média de stack. Daí dei as duas bad beats e fiquei chip leader, mas o Miranda ainda estava grande, então eu sabia que tinha grandes chances, mas como ele estava vivo, e é um cara que eu sabia que tinha muita chance de pegar ITM, porque tem um jogo bem controlado, tem uma leitura muito boa. Ele pegando ITM, eu teria que chegar ali em cima para ser campeão.

Chegou a ficar nervoso na reta final?
Não fiquei muito nervoso por ser chip leader, mas não tinha muita expectativa pelo Miranda estar bem, eu sabia que se ele chegasse bem a chance era baixa. Não pensava em ser campeão, mas sabia que tinha grandes chances. Coincidiu de eu ficar grande depois que ele caiu e ganhei muita mão sem showdown, só dando all in sobre os stacks intermediários, não teve muita situação de blefe, mão jogada até o river, foi tudo mais pré-flop mesmo. Então nesse aspecto não foi tão sofrido, no heads-up eu tinha quase 2 pra 1 de vantagem e ganhei num flip, foi em cinco, seis mãos, bem rápido também.

Norson Saho - CPH
Norson Saho – CPH

Após essa disputa ponto a ponto com o Miranda, o que você pode dizer sobre ele?
É um cara que admiro muito, não só como jogador, mas como pessoa também. Além de ser um excelente jogador, tem uma postura impecável na mesa. Você vê que ele toma bad beat e não sai xingando, brigando, está sempre sereno. É tão tranquilo que até bebendo um vinhozinho ele mantém a mesma postura (risos), está na dele, dando risada. Ele é amador e você vê que ele está tendo prazer de jogar ali. É um cara nota 10, acho que se o título ficasse nas mãos dele, estaria em excelentes mãos, muito bem representado.

Qual o segredo da sua regularidade há tanto tempo?
Eu acho que são vários fatores, não dá para apontar só um. Acho que um diferencial que eu tenho para a grande maioria é que procuro manter uma atividade física regular. No último ano estou fazendo muito pilates, pelo menos três vezes por semana para manter a postura na mesa, porque a gente fica 12 horas sentado em uma cadeira, prejudica bastante a postura. Nas últimas duas, três horas do dia ali, que são as mais importantes, faz muita diferença você estar com o físico em dia, não estar cansado, sonolento. Esse talvez seja um aspecto que muitos jogadores não levam em consideração.

Outra coisa que ajuda é a experiência, que com o tempo você vai adquirindo, de não criar falsa expectativa, porque por melhor que você seja, a chance de você ganhar um torneio é quase igual a de você ser o primeiro a cair. Não depende só de você, mas de vários fatores para dar certo. Então um dos segredos é não criar falsa expectativa sobre o resultado do torneio, tem que se preocupar com o longo prazo, um, dois, três anos, não dá para esperar muita coisa de um torneio só.

Também ajuda conhecer os adversários. Eu jogo bastante lá no H2, então conheço muitos parceiros que jogo há vários anos, você pega muitas tendências dos adversários. Tem cara que blefa muito em certas situações, tem cara que nunca blefa, tem o que vai muito all in pré-flop… então você acaba pegando as tendências. Jogador de poker é que nem um alfaiate, cada mão você tem que se adequar ao estilo do adversário, e como a gente joga mais ou menos com  o mesmo pessoal, pelo menos uns 60% é regular, acaba ajudando a conhecer os adversários e poder adotar a estratégia ideal em cada situação.

Confira a situação final do ranking

1 NORSON SAHO 5850 R$ 50.000,00
2 LUIZ CARLOS MIRANDA DIAS 5440 R$ 30.000,00
3 MARCELO GIORDANO 4790 R$ 15.000,00

 

Ainda não possui conta aberta no Bodog? Então clique aqui e veja como abrir a sua

DÊ CALL NO SUPERPOKER!

Turbine seu jogo, receba conteúdos exclusivos,
análise de mãos, chamadas para aulas ao vivo e promoções gratuitas.

Concordo com os termos de uso e privacidade do SuperPoker, que declara não repassar os dados a outras empresas.