COMPARTILHAR

Em 2012, o jogador recreativo Felipe Rubino poderia sonhar, mas jamais ter certeza de que, em dois anos, poderia ser o campeão do maior circuito regional de poker do Brasil, o CPH (Campeonato Paulista de Hold'em). Na época, ele estava começando no poker ao vivo dos cashes e etapas do CPH – única série de torneio que participa como jogador, à exceção do BSOP (Brazilian Series of Poker), quando em São Paulo.

— O CPH é o único torneio que jogo em São Paulo fora o BSOP devido à estrutura do torneio, que privilegia a técnica, e pelo desafio, pois o field é repleto de bons jogadores, sendo dos mais difíceis do Brasil.

Estrelas e conhecidos nomes do poker nacional como Fernando Grow, Leo Toddasso, Munir Berno, Estevam JirayAA e Igor Marani estão entre os regulares do H2.

Seu hobby lucrativo torneou-se ainda mais interessante quando conseguiu sentar diante de uma mesa final do próprio "Paulistão" em 2013. O que tinha tudo para ser só um sonho, então, tinha grande chances de virar realidade, mesmo no rio que mais tem piranhas no Brasil.

— Mesmo não sendo profissional, sempre levei muito a sério.

No inicio de 2014, com a mesa final na lista de resultados, o jovem de 26 anos colocou a disputa do ranking do CPH como uma das principais metas do ano.

— Para isso, estudei bastante o jogo e joguei muito cash game para ampliar a técnica e trabalhei seis meses com um personal que me ajudou a manter a forma durante essa maratona que é a rotina de jogador. Também busco trabalhar o lado mental/psicológico que é um dos pilares do poker para que eu me mantenha em alto nível.

Ranking

A dedicação de Felipe teve novos resultados imediatamente. Ao pontuar em todas as 11 etapas do circuito paulista, ele acirrou a briga que também contava com Pedrinho e Luiz Tofu, dois regulares do H2 São Paulo.

— Acho que qualquer um dos três que ganhasse mereceria o ranking.

A expectativa só acabou na 11ª etapa, quando, apesar de entrar na faixa de premiação, Tofu não conseguiu acumular pontos o suficiente para ultrapassar Felipe no ranking – feito que só seria possível se o jogador alcançasse a mesa final do torneio.

Dos mais bem colocados no ranking 2014, Felipe foi o campeão com 3.420 pontos e receberá R$ 20 mil de premiação. Luiz Ricardo, com 2.860 pontos, ganhará 12 buy-ins para 2015, enquanto Pedro Todorovic, terceiro colocado com 2.760 pontos, ganhará seis.

A entrega da premiação será feita no mês que vem durante a primeira etapa do CPH em 2015, que vai de 19 a 26 de janeiro.

— Em 2015, vou jogar o CPH novamente e espero fazer o back-to-back. Sei que é difícil, mas vou tentar. Se tiver agenda, vou tentar jogar os BSOP e, se o dólar não estourar, quem sabe WSOP.

CPH

No rastro da contínua popularização do esporte no país, o circuito do estado cresceu ainda mais em 2014 e chegou a 4.086 entradas totais ao longo de suas 11 etapas.

Com a cravada de Rodrigo Basso na última etapa, todos os campeões de 2014 são sabidos: Leandro Durão, Luis Portuga, Iago Leonelli, Stevam Wu " Jiraya", Luiz "Tofu", Rodolfo Lopes,João Elias, Fabio Negrelli, Fábio Fasupelu, Rafael Tabarin e, claro, o próprio Basso, que encarou o maior field, com 455 entradas.