COMPARTILHAR
Guerreiros Poker Team:
Guerreiros Poker Team: "Big Blind Ante: Mitos e Dicas", por Rodrigo Semeghini
Por Rodrigo Semeghini

O Poker é um esporte conhecido por sua evolução técnica rápida e constante. Mas não é só a parte técnica que evolui. Os organizadores de torneios modificam regras ou criam novas, visando aprimorar a competitividade e melhorar a experiência dos praticantes do nosso esporte. De 2018 em diante, duas regras novas se tornaram muito comuns: adição de Shot Clocks com Time Banks (tempo limite para agir) e a substituição dos antes tradicionais pelo Big Blind Ante (ou Button Ante). E é sobre a segunda que vou escrever nesse artigo.

O Big Blind Ante (ou Button Ante) trouxe agilidade e praticidade para os torneios de Hold’em. No entanto, como com qualquer novidade, junto aparecem dúvidas e teorias sobre o assunto. Com o Big Blind Ante não foi diferente. Já escutei, inúmeras vezes, teorias que contrariam a matemática vindas de jogadores amadores e profissionais. Portanto tomem cuidado com o que se escuta nas mesas e nos breaks!

VEJA MAIS: Yuri Martins acerta em cheio a mão de adversário e dobra na SuperPoker Session: “Eles não acreditam em nada”

Vou começar citando as crendices mais populares:

“Por ser Big Blind Ante temos que defender mais o Big Blind!”

Mito! Não importa quem “pingou” o Ante. A única coisa que importa são as Odds. Se algum jogador deu miniraise, nós precisamos pagar 1 blind para um pote total de 5,5 blinds (Small Blind + Big Blind + Raise de 2 Big blinds + call de 1 big blind). Isso nos dá odds de 18,18%!

Reparem que se fosse Button Ante, ou seja, se o jogador sentado na posição do botão tivesse colocado o ante, as odds seriam exatamente as mesmas. Se todos os jogadores dividissem o ante também daria no mesmo.

“Paguei o All-in porque já tinha investido 2 blinds, o ante e o big”

Mito! Segue a mesma lógica matemática anterior.
Exemplo: Um jogador deu all-in de 10 big blinds do botão. Do big, o jogador tem que pagar 9 big blinds para um pote total de 21,5 big blinds. Ou seja, ele precisa de uma equidade maior que 41,86% para ser um call lucrativo. Mais uma vez, não importa quem pagou o ante, só importam as odds.

“Devemos aumentar nosso range de all-in do UTG quando estamos short-stack”

Essa provavelmente é a teoria mais controversa. Mas também é mito! O argumento é de que é ruim chegar no Big Blind Short Stack (por exemplo 10bb) e por isso deve-se dar all-in com range mais amplo do utg.

Argumentos contra essa teoria

Se você der um all-in EV (“Expected value”) negativo, você vai chegar no big blind com um “stack menor que o atual”, no longo prazo.

A defesa de Big Blind com stacks menores tem EV maior pois a realização de equidade é maior. Portanto não é tão ruim assim.
Teremos uma órbita inteira sem ter que pagar o ante, depois de passar o Big Blind.

O ante vai ser pago na mão seguinte, de qualquer maneira. Não há ganho de EV futuro por dar allin com range mais amplo, do UTG.

Seguindo a mesma lógica deveríamos pensar que, mesmo em níveis decrescentes, temos que aumentar o range de shove de todas as posições. Um pouco menos do UTG+1, ainda menos de MP e assim por diante.

Apesar de tudo, curiosamente, não escuto argumentos semelhantes quando o torneio é Button Ante. Pela mesma lógica, deveríamos defender mais o botão, pagar mais all-ins do botão e dar mais all-ins do Small Blind. Não faz sentido, não é mesmo?

Contudo, devemos nos atentar a alguns pontos. Aqui vão algumas dicas.

Dica 1 – Se um oponente dá mais all-ins do UTG, aumente o seu range de call, quando ele for all-in dessa posição. Se o range dele for mais fraco, a parte do range com EV marginal passa a ter EV razoável.

Dica 2 – Se um vilão defende muito mais o big blind do que deveria, dê raises mais altos no big blind dele. Instantaneamente todas as suas mãos ganham EV por conta disso. Mas tome cuidado se tiver algum jogador na mesa com capacidade de perceber isso.

Dica 3 – Contra jogadores que pagam mais all-ins do big blind, evite dar all in com mãos que dependem de fold equity para manter o EV (suited conectors, por exemplo) e expanda mais o range para mãos com blockers (A e K). Ases e Reis ganham EV contra ranges mais amplos.

Para que essas três dicas sejam efetivas, preste bastante atenção nas informações que os oponentes dão nas mesas. Boa parte do field live adora falar sobre suas estratégias de jogo. Use isso contra eles.

Dica 4 – Alguns torneios 6-max, ou torneios 9-max quando estão com 5 jogadores ou menos, reduzem o big ante (ou button ante) pela metade. Por isso, nesses casos, as odds diminuem. A defesa de blind passa de 18% para 20% e o call em all-in de 10bb passa de 41,8% para 42,8%. Parece preciosismo, mas a parte mais marginal do range sai do gabarito.

Espero que tenham curtido esse artigo e se tiverem alguma dúvida me mandem uma mensagem lá no meu perfil do Instagram.

Encontro vocês nas mesas!

Rodrigo Semeghini é jogador profissional de poker desde 2016, sócio-fundador e Head Coach do Guerreiros Poker Team. Semeghini é bi-campeão Carioca, campeão do Super High Roller do WSOP-C e coleciona diversos títulos e mesas finais nas principais torneios e séries on-line, como Sunday Million, WCOOP, SCOOP e Bounty Builder Series.

DÊ CALL NO SUPERPOKER!

Turbine seu jogo, receba conteúdos exclusivos,
análise de mãos, chamadas para aulas ao vivo e promoções gratuitas.

Concordo com os termos de uso e privacidade do SuperPoker, que declara não repassar os dados a outras empresas.