COMPARTILHAR
John Racener - WSOP 2017
John Racener - WSOP 2017

No ano passado, John Racener foi um dos principais jogadores da WSOP. Além de conquistar o primeiro bracelete da carreira, ele fez diversas outras mesas finais, terminando na segunda colocação do ranking de Jogador do Ano da série, atrás apenas de Chris Ferguson.

Ainda assim, é claro que o momento de maior destaque do americano na WSOP aconteceu em 2010, quando ele foi o vice-campeão do Main Event, faturando mais de US$ 5,5 milhões. Em 2018, Racener também já começa a fazer bonito e aparecer bem nos rankings.

VEJA MAIS: Com Michael Phelps no field, brasileiros marcam presença no Evento #28 da WSOP; confira galeria

São duas mesas finais nesta edição, com o quarto lugar no Evento #22 (US$ 1.500 Eight Game Mix) e a oitava colocação no Evento #7 (US$ 565 NLH Colossus), que teve o brasileiro Roberly Felício como campeão. Além de opinar sobre o jogo de Roberly, o americano falou sobre a briga pelos rankings e ainda cutucou Phil Ivey. Confira a entrevista.

John Racener - Campeão Evento #17 - WSOP 2017
John Racener – Campeão Evento #17 – WSOP 2017

Após uma grande série ano passado, você começa bem em 2018, está com a confiança em alta?
Sim, é a minha época favorita do ano, jogar todo dia, às vezes dois torneios por dia, tem muita ação. Tive um bom começo, peguei quarto e oitavo em dois grandes torneios, então estou animado, porque é a única época em que consigo jogar todo dia, então eu gosto.

O ranking de Jogador do Ano é um de seus grandes objetivos?
Sim, claro, depois de ficar em segundo no ano passado, eu quero ganhar esse ano. Chegar tão perto e não ganhar foi como quando eu fiquei em segundo no Main Event, você chega perto, mas não está no topo. Ganhei muito reconhecimento e bastante dinheiro, mas ainda quero o primeiro lugar.

Doyle Brunson se aposentou ontem, o que você pode dizer sobre ele?
Eu não joguei muito com Doyle, mas tenho um grande respeito por ele. O livro dele, “Super System”, é o único sobre poker que eu tenho em casa, eu li quando era mais jovem. Ele fez muito pelo jogo e é legal estar no salão no último torneio dele.

Após uma certa polêmica no ano passado, a WSOP mudou a fórmula de cálculo dos pontos do ranking, Você aprovou as mudanças?
É uma boa pergunta, a fórmula era um pouco focada apenas em conseguir ITMs no ano passado, e eu acho que foi uma melhora que você precise chegar em mesas finais para ir bem neste ano. Eu gostaria que existisse um meio termo, se alguém premia 20 vezes deveria estar próximo de alguém que venceu um torneio e não fez mais nada, mas eu apenas venho aqui e tento dar meu melhor todo dia. Eu não presto muita atenção nisso, se eu estiver na briga ao fim da série, vou trabalhar ainda mais duro.

VEJA MAIS: WSOP: Felipe Rubino revela preferência pelo 6-Max e destaca séries paralelas: “mais opções”

Você foi mesa finalista no Colossus, que teve um brasileiro como campeão. O que você achou do jogo dele?
Eu joguei com o brasileiro durante boa parte do torneio, e ele jogou muito bem. Eu fui para casa e dei uma olhada nos resultados dele no passado e ele me pareceu um sólido grinder de small stakes. Bom para ele que ganhou e levou um bom dinheiro. Eu lembro que ele cometeu poucos erros, jogou muito bem, pensava bastante em cada situação, não fiquei surpreso que ele ganhou.

John Racener no Main Event da WSOP 2010
John Racener no Main Event da WSOP 2010

Phil Ivey está de volta neste ano. Qual sua opinião sobre ele?
Ele está de volta, mas não está chegando na hora e jogando muitos torneios. Ele aparece na última hora e acho que isso o coloca em grande desvantagem nos eventos. Existem muitos bons jogadores agora nesses Mixed Games, alguns que só aparecem neste torneios. Acho que ele e Phil Hellmuth se colocam em desvantagem registrando tarde nesses torneios, mas se ele não liga, eu entendo. Ainda assim, é sempre mais emocionante a WSOP quando Ivey está no prédio.

Para você, eventos online deveriam dar braceletes?
É uma boa discussão, você pode estar em casa, com vários amigos ajudando, tabelas, estudando cada mão em profundidade, bem mais do que no live. Acho que, pelo menos, deveriam fazer a mesa final ao vivo, para fazer a decisão ainda mais especial. Sei que fizeram isso no passado, mas neste ano está sendo inteiro online.

A cobertura do SuperPoker na WSOP é patrocinada pelo Bodog e conta com o apoio do H2 Club e do BSOP. Clique aqui para abrir sua conta no Bodog.