COMPARTILHAR
Salão WSOP Big 50

A já conhecida discussão sobre reentradas em torneios de poker foi reacendida na semana passada por Daniel Negreanu. O canadense afirmou que, após a WSOP Europa, na qual se sagrou Jogador do Ano da série, pensava seriamente em não dar mais de um buy-in em torneios, mesmo naqueles com reentrada.

Para o craque, os jogadores teriam um melhor desempenho se não existisse a possibilidade de reeentrar. Não demorou para que dezenas de fãs de poker opinassem dos dois lados da discussão. Em enquete realizada no Twitter do SuperPoker, 83% dos votantes concordaram com o “Kid Poker”.

Mas quais são os argumentos envolvidos no debate? Para que você também possa ter uma opinião embasada sobre o assunto, iremos analisar a questão. Entre aqueles que apoiam os torneios com reentrada, o principal argumento é óbvio: maiores prize pools.

VEJA MAIS: Daniel Negreanu conquista Jogador do Ano da WSOP em final emocionante

Torneios com vários dias iniciais e a possibilidade de dar mais de um buy-in ajudam a alimentar o sonho de conquistar um grande prêmio através um investimento relativamente baixo. Com a exceção de disputas High Roller, dificilmente torneios Freezeout, ou seja, sem reentradas, geram prêmios monstruosos. Assim, tirar as reentradas dos torneios levaria, inevitavelmente, a menores premiações garantidas.

Daniel Negreanu - WSOP
Daniel Negreanu – WSOP

Quando o assunto é exclusivamente sobre torneios ao vivo, existe outro ponto a se considerar. Eventos desse tipo incluem também custos de deslocamento, hospedagem, etc. Ou seja, a menos que exista uma programação bem completa de eventos paralelos, poucos jogadores considerariam fazer uma viagem para correr o risco de cair logo no início do torneio e não poder reentrar.

No Facebook do SuperPoker, Murici Tafarel foi um dos amantes do poker que opinaram sobre a questão, aprovando a existência das reentradas com uma ressalva. “Acredito que seja justo ter reentrada nos torneios porém limitadas”, escrevou. “Pois o esporte que no meu ponto de vista é o mais democrático vem se tornando cada vez mais elitizado.”

VEJA MAIS: Fabiano Kovalski assume liderança do ranking brasileiro no poker online

A elitização citada é o principal argumento contra a existência das reentradas. Para quem defende os torneios freezeout, a possibilidade de dar vários buy-ins favorece aqueles com o bankroll mais polpudo. Afinal, assim é possível jogar agressivamente nas primeiras entradas, tentando construir um grande stack, e retornar para o torneio se o plano não der certo. Se já é difícil eliminar um grande jogador uma vez, imagine então ter que enfrentá-lo no mesmo torneio por diversas vezes.

Rafael Vasconcelos, também nas redes sociais do SuperPoker, apoiou os eventos Freezeout. “Torneio sem reentradas é mais interessante e os jogadores tendem a jogar de formas corretas, sendo que as ações técnicas estudadas para obter determinado resultado realmente tenha êxito…. Seria a estrutura mais agradável para um jogador de poker”.

Para quem reclama da postura “maluca” de alguns jogadores nos níveis antes do fim do late register, o próprio Negreanu faz um contraponto. “Outros fazendo loucuras não têm um impacto negativo para você, apenas contribui para o prize pool e, frequentemente, te dá boas oportunidades para dobrar”. Ou seja, para o canadense o segredo é identificar quem está disposto a dar várias entradas e explorar esses jogadores.

Após entender o debate, você é a favor ou contra torneios com reentradas? Opine!

DÊ CALL NO SUPERPOKER!

Turbine seu jogo, receba conteúdos exclusivos,
análise de mãos, chamadas para aulas ao vivo e promoções gratuitas.

Concordo com os termos de uso e privacidade do SuperPoker, que declara não repassar os dados a outras empresas.