COMPARTILHAR
Yuri Martins - WSOP 2019
Yuri Martins - WSOP 2019

Yuri Martins Dzivielevski. Não é de hoje que esse sobrenome difícil de pronunciar é conhecido no poker brasileiro. Talvez até por essa dificuldade, mas majoritariamente, é claro, pelo grande sucesso obtido sob o apelido online, seja mais comum se referir ao craque como Yuri “TheNerdGuy”.

Se as conquistas durante a carreira já impressionavam há anos, foi em pouco mais de 12 meses que o curitibano se colocou em outro patamar. Em julho do ano passado, venceu o Evento #51 da WSOP e levou o sexto bracelete brasileiro em Las Vegas, se juntando ao seleto grupo de campeões. E agora, campeão do PLOSSUS da WSOP Online no GGPoker, se tornou o primeiro do país a ser bicampeão na série.

VEJA MAIS: Daniel Negreanu é eliminado com straight flush em evento da WSOP Online

“É algo que a gente busca tanto e agora estou só curtindo o momento”, contou Yuri em entrevista ao SuperPoker. “Realmente sempre busquei isso, ganhar o maior número de torneios possíveis, eventos ‘major’. Enfim, chegou o momento e estou muito feliz, só aproveitando”. Por uma ironia do destino, o brasileiro foi campeão um dia antes do início de sua aposta contra Daniel Negreanu, por isso ele terá que ganhar outro bracelete se quiser ter a chance de levar US$ 100 mil do canadense. Alguém duvida?

Yuri falou sobre a aposta, a emoção do título, os objetivos para a carreira, sua relação com os parceiros de 9Tales e mais. Confira a entrevista completa.

Yuri Martins - Main Event - WSOP 2019
Yuri Martins

Teve um sentimento diferente do segundo bracelete para o primeiro?
Eu acho que a atmosfera do live é um pouco mais intensa, é mais forte o sentimento de ganhar o bracelete ao vivo, mas foi animal igual.

Você sentiu alguma vantagem da mesa final ser realizada praticamente uma semana depois da sua formação?
Com certeza, isso foi uma grande vantagem para mim, pois tive tempo para preparar estratégias, rodar várias simulações que poderiam acontecer ali na mesa final. Eu apliquei muito do que aprendi nessa semana, entre a formação da mesa final e o início dela, então me deu vantagem. Lógico que eu estava grande, chip leader desde o início, então as duas coisas combinadas foram vantagens muito grandes.

VEJA MAIS: João Simão avança entre os líderes no Asia Championship da WSOP Online

O quanto ser chip leader influenciou no edge sobre os demais adversários na mesa final?

Ser o chip leader, principalmente em PLO, é uma vantagem muito grande. O short stack não consegue colocar tanta pressão no chip leader por ser Pot Limit, ele não consegue ficar dando all in e me fazendo foldar o tempo todo, então ser chip leader dá um edge muito grande se a pessoa souber aproveitar.

Yuri Martins - Evento 51 - WSOP
Yuri Martins – Evento 51 – WSOP

Já caiu a ficha de que você é o primeiro brasileiro a alcançar este feito e o quanto ele representa?
Já caiu a ficha sim, é algo que a gente busca tanto e agora estou só curtindo o momento. Sempre busquei isso, ganhar o maior número de torneios grandes possíveis. Chegou o momento e estou muito feliz, só aproveitando.

Chegou a assistir a transmissão da mesa final depois?
Ainda não assisti, mas já vi muitas vezes a mão final ali, com o Vitão narrando, dá uma emoção muito boa. Eu também sempre assisto, tenho salvo no celular, os stories de quando cravei ao vivo, do [Gabriel] Grilo narrando a mão final do evento lá de Vegas, me arrepia.

VEJA MAIS: Eoghan O’Dea é campeão do Evento #51 da WSOP Online com grande exibição na mesa final

Você já havia falado que pela aposta com o Negreanu não iria perder nenhum evento. Esse bet te motivou em algum outro aspecto?
Esse bet me motivou a jogar mais e consequentemente estudar mais e jogar bem focado, o que gera um EV muito alto, né? Então foi uma aposta estratégica, que foi muito boa para mim em todos os quesitos.

Yuri Martins e torcida - Campeão Evento #51 - WSOP 2019
Yuri Martins e torcida – Campeão Evento #51 – WSOP 2019

Na transmissão, você compartilhou momentos complicados na carreira e o seu amor pelo poker. Quais seus próximos objetivos na carreira? Existe um número de braceletes que você almeja?
Eu acho que enquanto eu estiver jogando a intenção será sempre ganhar o maior número de torneios possíveis, como se eu for jogar cash será ganhar o máximo de dinheiro possível. É o meu trabalho, então não penso assim ‘quero ganhar x braceletes até o final da carreira’. Vou seguir jogando, dando o meu melhor, e tentar ganhar o máximo possível de braceletes, não gosto de me limitar a um número específico. Se algum dia for possível passar o Hellmuth, vou dar o meu melhor.

Consegue explicar a diferença do sentimento de vencer em Las Vegas nas mesas e desse online em casa?
Vencer em casa é muito mais fácil no geral né, pelo simples fato de estar em casa. A grande diferença é a emoção mesmo, em Vegas como eu falei é tudo mais intenso, estar ali naquela mesa, com as luzes, transmissão, toda aquela atmosfera torna muito mais intenso. Torneios online eu jogo praticamente todos os dias e são mais confortáveis para mim, é algo mais comum, que eu estou bem familiarizado.

VEJA MAIS: Douglas Lopes crava o US$ 525 High Rollers Supersonic do GGPoker

Mas mesmo no bracelete de Vegas, eu sinto isso de que quando estou jogando as emoções não tomam tanto conta de mim. Quando eu assisti o bracelete do Naza fiquei mais emocionado e nervoso do que quando eu ganhei (risos). Quando você está ali naquele momento só pensa em dar seu melhor e fica tão focado que as emoções ficam de lado, pelo menos para mim. É algo inclusive que eu trabalhei muito minha carreira toda, controlar minhas emoções, ser mais centrado, frio no momento do jogo, e isso acontece muito comigo.

Yuri Martins e torcida - Campeão Evento #51 - WSOP 2019
Yuri Martins e torcida – Campeão Evento #51 – WSOP 2019

Mais de uma década do poker, o quanto o 9tales contribuiu nessa conquista?
O 9Tales contribuiu para tudo que está acontecendo ultimamente comigo, toda essa fase boa que estou passando. Às vezes não necessariamente na técnica, até porque sou o que joga mais PLO e tal, mas em vários outros aspectos. Conviver com pessoas como eles e compartilhar conhecimento com pessoas tão incríveis faz a diferença.

Já vimos jogadores como o Pablo Brito em torneios de PLO recentemente. Os companheiros estão começando a gostar das outras modalidades?
Sim, estamos nesse processo de fazer a transição deles para outros jogos e eu tenho ajudado nesse ponto. Tenho ajudado eles com PLO, em breve com Short Deck e Omaha Hi-Lo também, vou começar um trabalho bem intenso com eles, quando estiver mais sossegado, menos séries. Esse trabalho será feito e podem esperar vários braceletes do 9Tales em Mixed Games.

VEJA MAIS: Lorenzo Bazei é eliminado na mesa final do Evento #51 da WSOP Online

Gostaria de dedicar o título para alguém ou mandar um recado para o público?
Como eu sempre falo, eu sempre agradeço a Deus pela minha saúde, pela oportunidade de fazer algo que eu tanto amo. Então independente se você acredita em Deus ou não, não podemos deixar de ser gratos pelas oportunidades e por ter saúde para jogar. Também quero agradecer todo mundo que torceu, é claro, foi muito massa. Recebi infinitas mensagens, e esse carinho a gente nem imagina, jogando aqui de casa, a proporção que essas coisas tomam. Estou bem realizado, bem satisfeito e isso só me incentiva a buscar mais, então podem esperar grind intenso todos os dias até o final das séries e espero trazer bons resultados para nós.

Clique aqui para abrir sua conta no GGPoker e buscar a joia mais cobiçada do poker na WSOP Online.  

DÊ CALL NO SUPERPOKER!

Turbine seu jogo, receba conteúdos exclusivos,
análise de mãos, chamadas para aulas ao vivo e promoções gratuitas.