COMPARTILHAR
Adam Friedman e Michael Mizrachi fizeram história na WSOP, mas qual foi melhor?
Adam Friedman e Michael Mizrachi fizeram história na WSOP, mas qual foi melhor?

Em mais de meio século de história da WSOP, feitos inéditos não acontecem mais tão frequentemente. Assim, é claro que a conquista de Adam Friedman em mais um Dealer’s Choice Championship ganhou muito destaque. Afinal, pela primeira vez um evento teve o mesmo campeão em três edições consecutivas, com o americano campeão em 2018 e 2019.

No entanto, outro tricampeonato em um mesmo evento é um grande concorrente no prêmio para o mais impressionante feito da série mundial. É o de Michael Mizrachi, que foi campeão do Poker Players’ Championship (PPC) em 2010, 2012 e 2018. O americano é um dos três novos finalistas do Hall da Fama do poker.

VEJA MAIS: Rafael Reis fala tudo sobre forra e torcida na WSOP: “Arrepio de lembrar”

Ganhar três braceletes da WSOP não é necessariamente o feito mais absurdo, considerando todo o histórico da série. Só na última semana, por exemplo, foram três jogadores garantindo seu terceiro título na série (Josh Arieh, Bradley Ruben e Kevin Gerhart). No entanto, ganhar três vezes o mesmo evento é outra história, e Friedman e Mizrachi estão em uma categoria acima. Entre os dois, qual o melhor?

Adam Friedman - Campeão Evento #35 - WSOP 2019
Adam Friedman com o bracelete conquistado em 2019

Começando pelo de Friedman, que tem como seu grande destaque o fato de ter sido conquistado em três edições consecutivas. Um levantamento do jornalista Kevin Mathers trouxe uma estatística absurda que ajuda a entender o tamanho da conquista.

“O Dia 1 do WSOP US$ 10.000 Dealers Choice Championship de 2018 foi em 7 de junho. Adam Friedman não é eliminado do Dealers Choice Championship há 1.232 dias”, escreveu no dia 21 de outubro, e o número ainda aumentará até, pelo menos, a próxima edição.

VEJA MAIS: Mario Junior conquista quarto lugar em busca por anel na WSOP.com

Outro ponto importante é que o evento não é em um formato qualquer e exige um domínio do jogo como poucos. Afinal, são incríveis 20 modalidades disponíveis, e o jogador no botão escolhe qual será a disputada. Ou seja, mesmo que tenha suas especialidades, Friedman precisa ter uma boa noção de todos os jogos.

Por outro lado, Mizrachi também tem seus argumentos. O Poker Players Championship é considerado por muitos o torneio mais prestigiado da grade da WSOP. Com buy-in de US$ 50 mil e uma estrutura que reveza oito modalidades, também exige muita técnica e costuma atrair um field repleto dos maiores nomes do jogo.

Michael Mizrachi faturou mais de US$ 1,2 milhão pelo título em 2018

É o único evento da WSOP ao ter um troféu como prêmio, batizado de Troféu Chip Reese em homenagem ao lendário jogador de mesmo nome. Apesar de serem menos modalidades, o nível dos jogadores envolvidos também costuma ser um dos mais altos da série, com diversos especialistas.

VEJA MAIS: Josh Arieh vence Evento #39 e volta a cravar na WSOP após 16 anos

Quando a análise é financeira, “The Grinder”, como é conhecido Mizrachi, ganha de lavada sobre o compatriota. Seus três títulos no PPC tiveram, somados, renderam mais de US$ 4,2 milhões e envolveram 311 entradas no total. Friedman passou por 326 inscrições nas três vitórias, mas embolsou “apenas” cerca de US$ 950 mil.

Para você, qual tricampeonato impressiona mais entre os dois? Opine nas nossas redes sociais!

Confira o último episódio do Pokercast: