COMPARTILHAR
Marcelo Mesqueu - Campeão Brasileiro de Poker 2019

Marcelo Mesqueu se tornou o Campeão Brasileiro de Poker de forma incontestável. O carioca, que em 2017 terminou na segunda colocação após liderar o ano quase todo, chegou a 4.404 pontos no ano, de longe o recorde da história da série. Para se ter uma ideia, a vitória de Saulo Sabioni, que definiu o recorde anterior em 2018, foi com 3.617 pontos.

Com quase 1.800 pontos de vantagem para Luis Kamei, a maior distância de um campeão na história, Mesqueu sequer precisou suar durante o BSOP Millions, terminando no topo de forma tranquila. O jogador recreativo ainda começou o último dia de evento na liderança do ranking de Mixed Games, mas foi ultrapassado por Rogério Siqueira.

Marcelo Mesqueu - BSOP Millions
Marcelo Mesqueu – BSOP Millions

Campeão Brasileiro de Pot Limit Omaha de 2017, Mesqueu começou o ano arrasador. Em Iguazu, foi sexto colocado no Main Event, campeão do Heads-Up, vice no Turbo Knockout e terceiro lugar no Turbo 4 Blinds. Líder do ranking ao final da etapa de estreia, o carioca jamais deixou escapar o topo, inclusive aumentando a distância até confirmar o título.

VEJA MAIS: Madson Moura é o grande campeão do BSOP Millions e emociona com história de vida: “só tenho a agradecer”

Pela vitória, ele levou os buy-ins do Main Event de todas as etapas de 2020, um pacote especial oferecido pelo PokerStars e R$ 250 mil em prêmios, incluindo uma Mitsubishi Outlander. Na cerimônia de entrega do bracelete, Mesqueu contou com a presença de família para comemorar o título tão sonhado. Em entrevista ao SuperPoker, ele falou sobre a emoção da vitória e destacou a força do poker carioca.

Após bater na trave em 2017, como é se tornar Campeão Brasileiro de Poker?
A emoção é muito forte, mesmo não tendo a disputa até o fim, adrenalina no ápice, mas é uma coisa bem gostosa, a família toda aqui presente. É algo que eu não achava que teria outra oportunidade, depois do que aconteceu em 2017, e Deus logo botou a gente nessa briga. No Winter Millions, já estavam falando que eu tinha ganho. Eu não achava, mas se não fosse eu ali, acharia que estava acabado pela pontuação. Mas vim aqui, fiz o que tinha que fazer, e até acho que tenha aumentado a diferença de ponto.

Marcelo Mesqueu e família
Marcelo Mesqueu e família

Ganhar com essa vantagem para o segundo é ainda mais recompensador?
Com certeza, porque essa pontuação, salvo engano de 4444 pontos, é um número bem difícil de esquecer. Acho que nem em 10 anos ninguém baterá esse recorde.

Com o ranking geral já garantido, quanto você queria levar também o de Mixed Games?
Eu queria muito, para o Rio de Janeiro poder levar os três títulos. Mas o Rogerinho [Siqueira] é meu amigo, parceiro, a intenção sempre foi perturbar ele, deixá-lo tenso, e eu consegui. Claro que queria ganhar, não vou ser hipócrita de dizer que não, mas não me abalou em nada. O ranking geral é muito importante, sem desmerecer os outros.

Marcelo Mesqueu.
VEJA MAIS: Tá na Mão: Rafael Caliman explica call polêmico de J8s na bolha da mesa final do Main Event do BSOP Millions

No Pot Limit Omaha, o título ficou com o Pablo Menezes, outro carioca. O que isso significa para o poker do Rio de Janeiro?
Se você parar para ver o ranking geral, temos quatro jogadores cariocas no Top 10. Temos o Felipe Brasil, muito meu amigo, Luiz Carlos Cunha, o Pablo e eu. Somos quatro cariocas em 10, é muita coisa, mostra a força do Rio de Janeiro.

Agora com o título em mãos, pretende seguir correndo o circuito?
O circuito vou correr, porque o que gosto de fazer é o poker, para mim é terapia. Eu chego aqui, sento à mesa e fico ali 8, 10, 12 horas tranquilo, saio daqui leve. Mesmo tendo essa pressão de correr para lá e para cá, faz com que eu me sinta muito bem.

Abra a sua conta no maior site de poker do mundo clicando aqui.

DÊ CALL NO SUPERPOKER!

Turbine seu jogo, receba conteúdos exclusivos,
análise de mãos, chamadas para aulas ao vivo e promoções gratuitas.

Concordo com os termos de uso e privacidade do SuperPoker, que declara não repassar os dados a outras empresas.